Decepções e é só o começo.


Em primeiro lugar:
Não sou uma pessoa ignorante.
Sou precipitada, mas me controlo.
Não sou barraqueira.
Não sou uma mãe iludida.
Quem me conhece aqui, durante esses anos no blog está cansado de ler que EU NÃO CRIO EXPECTATIVAS, EU NÃO FAÇO PROJEÇÕES, MTO MENOS ABSURDAS.
Artur usa Fralda Pampers Total Confort, assim q acorda, colocamos uma fralda limpinha nele, na embalagem diz que dura até 12 horas, como ele é grande, tenho plena convicção que pelo menos 3 horas essa fralda aguenta o xixi dele. Mas...... já recebi bilhete dizendo que Artur chega na escola e a fralda vaza. Enfim, mandei mais uma troca de roupas como pediram, sem questionar. O importante é q ele é bem cuidado na escola.
Fazia mais de 10 dias que Artur não ia para a escola. Sempre assado, com a rinite atacada, ele não avisa qdo faz cocô, tem q olhar toda hora, tem q lavar na hora de trocar, melhor ficar em casa, certo???
Não faço e nunca fiz da escola um depósito de criança. Meu filho vai contra a minha vontade, pq faz parte do tratamento dele.
Eu sequer busco ou levo meu filho na escola, para não criar neuras, não ficar sofrendo, papai sempre leva, sempre pergunta tudo e traz o recado para mim, um amor.
Qdo ele não tinha uma estagiária para cuida exclusivamente dele, eu me descabelei de chorar na Secretaria de Educação e consegui uma.
Artur é uma criança que se não é tratada da melhor forma que um Autista pode ser tratado, ele é tratado com mto, mto amor.
Enfim, hj teve festa Junina na escola. Meu pequeno não ensaiou a dança, não foi para a aula, mas hj, fiz questão de arrumá-lo logo cedo. Costurei sua calça com remendos, não comprei chapéu, ia jogar dinheiro fora, comprei uma camisa fofa e fui trabalhar.
As crianças nem tinham entrado na quadra e eu já tava chorando de ver MEU FILHO TENTANDO INTERAGIR COM O MUNDO DO JEITO DELE, não importava como fosse. Confiei no carinho das pessoas que cuidam dele.
Notei q ao chegar, a professora dele estava mto preocupada com ele no colo, pedindo para chamar alguém, fiquei preocupada, mas logo, mesmo de longe pude notar a sua calça TODA MOLHADA no bumbum. Não, não era um vazamento, a calça estava TODINHA molhada no bumbum, ou seja, ele não era trocado há mto tempo. E se estivesse com cocô?? E a calça que eu costurei com o maior amor e carinho para ele ficar à caráter com as outras crianças?? Foi pro inferno tudo.
Não mandei a calça na bolsa pq pensei: Ah, elas estarão ocupadas na hora, não vão se lembrar de trocá-lo. Affão pra mim!!Bobo ele não é, prefere, mas não é pra isso q ele vai para a escola.
Daí, enquanto esperava para dançar, Artur só ficava no colo. 
Não mando ele pra ficar no colo, ele é ativo, alegre, não estava com medo.
A estagiária que deveria ficar com ele, estava à caráter, toda animada com as crianças e Artur ficou em segundo plano, aliás, era ela quem deveria ir trocar a fralda dele, não a Professora ficar desesperada, deixar as outras crianças de lado para procurar alguém para fazer isso.
Na hora de dançar, máquina, celular em punho e............
Artur lá no fundo da quadra no colo de uma outra estagiária, não a q foi incumbida de ficar com ele. Me enchi, fui lá do lado, chamei e falei: Artur não vai participar?? 
Ela me disse: Ah, ele não quer. 
Eu disse: vc nem foi lá, ele não está nervoso, nem chorando.
Ela entendeu meu recado e o levou para dançar.
Querem saber se eu vi meu filho dançar?
NÃO, EU NÃO VI.
Pq??
Pq enquanto fui falar com a estagiária, fui surpreendida por uma criança deitada no chão. Parecia um Autista como Artur, pior não era isso, o pior é que era lá num canto da quadra com as crianças  todas pulando praticamente em cima dele, com as crianças pisando, as PROFESSORAS, ESTAGIÁRIAS DESVIANDO DO MENINO E NENHUMA FILHA DE DEUS PERFEITO OLHAVA PARA O CHÃO PARA VER QUE ERA UMA CRIANÇA DORMINDO NO CHÃO.  
Como Artur sempre fica deitado no chão, eu entrei em choque, desespero, comecei a gritar alguém, chamar, tava isolado o local para os pais, ninguém me ouvia e pra mim, toda criança é meu filho, qualquer criança feliz, com dor, sofrendo, sendo largada, são todos meus.
Até que uma alma caridosa me ouviu e eu disse: Esse menino, levanta ele pelo amor de Deus, alguém vai pisar nele.
Daí, eis q a criança foi 'recolhida' e ficou no colo.
Meu dia acabou, minha vida acabou, minha segurança acabou.
Dali eu só conseguia pensar em sair e ir direto na Secretaria da Educação. 
Mas sabe como é a vida??
A vida é assim: VC, pobre, rico, fudido de grana, fudido no poder sempre precisa de alguém, nem que tenha que comprá-la, mas eu não tenho grana para comprar ninguém e ainda que tivesse, meu mundo não seria assim.
Eu tive q esfriar meu sangue, tive q respirar, engolir a porra do meu desespero, sim, eu tive q ME ACALMAR para não fazer merda.
Pq amanhã era outro dia e meu filho tinha q continuar vivendo, precisa de professoras, precisa ir para a escola e precisa, ao meu lado continuar fazendo de conta q a PUTA QUE O PARIU DA LEI DA INCLUSÃO EXISTE E É PRATICADA.



Num outro dia, numa outra época da minha vida, eu viria para minha casa e choraria aqui, no face, no raio q o parte, deixaria meu sangue esfriar e não falaria nada.
Mas eu jurei a mim mesma que desde a outra escola jamais faria isso novamente.
A festa acabou, peguei meu filho e fiz piquete na porta da diretora.
Sim, chamei ela e reclamei de tudo, da fralda molhada, da estagiária empolgada que esqueceu de seus afazeres, da falta de vontade de ajudar Artur interagir na dança, reclamei de tudo.
Antes de tudo, pedi desculpas caso eu me excedesse durante a conversa. Mas desabei.
To orgulhosa de mim, não fui grossa, não fui arrogante, falei q minhas reclamações eram feitas pelo bem estar do meu filho. É o meu maior tesouro. Que minhas reclamações são solicitações de melhores cuidados. Eu quero mudanças!!!


O meu dia acabou, o meu mundo acabou!!!
Vontade de chorar entalada lá no fundo do peito, as lágrimas brotam e secam nos meus olhos e alguém, alguma coisa não me deixa chorar.
O choro seria de exaustão, não quero me sentir exausta,  é cedo ainda, temos uma vida inteira.
Eu jurei q o mundo ia aceitar meu filho e é assim que vai ser, pq não tem como meu filho não aceitar o mundo se não for assim.
Talvez pelo trabalho que eu tinha, eu desisti de me decepcionar com algumas coisas, deixei de acreditar no "sistema", mas isso não significa nunca, jamais que eu vá 'pedir pra sair', sou malandra que está ficando calejada, tem tapas na cara, chutes no traseiro que eu nem sinto mais. FODA-SE.
Eu lutarei contra o sistema, não para mudá-lo bruscamente, não acreditando que eu vá mudar as pessoas, o mundo, os políticos, eu lutarei contra o sistema falho apenas para meu filho ter qualidade de vida. Mas, como eu disse que eu sou mãe de todos os filhos, vou lutar contra o sistema pelo NOSSO filho tbm.
Ainda não é hora de desabar de chorar, por hora, vou aqui, me equilibrando, equilibrando as lágrimas no olho, escapa uma aqui, outra ali, mas o amor pelo meu filho, a doçura do meu filho, a vida que Deus escolheu para mim, nunca vai me fazer deixar de lutar. 
Morrerei e não deixarei de lutar, onde quer que eu esteja.




Não vou editar o texto, to mto chateada pra isso, perdoem os erros de gramática, grafia e digitação;





Continue >>>
Share |

O Meu Melhor

Desde o começo

Blog Archive

 

Viagem de mãe ♣ ♣ ♣ Mamanunes Templates ♣ ♣ ♣ Inspiração: Templates Ipietoon
Ilustração: Gatinhos - tubes by Jazzel (Site desativado)